sábado, 1 de dezembro de 2012

Frank Lloyd Wright - Á História

Frank Lloyd Wright:


Frank Lloyd Wright  junho de 1867 - Phoenix, 9 de abril de 1959) foi um  arquiteto, escritor e educadores tadunidense de ascendência galesa.Um dos conceitos centrais em sua obra é o de que o projeto deve ser individual, de acordo com sua localização e finalidade. No início de sua carreira, trabalhou com Louis Sullivan, um dos pioneiros em arranha-céus  da Escola de Chicago. Responsável por mais de mil projetos, dos quais mais de quinhentos construídos, Wright influenciou os rumos da arquitetura moderna com suas ideias e obras e é considerado um dos arquitetos mais importantes do século XX. 
Foi a figura chave da arquitetura orgânica,exemplificada pela casa da cascata,um desdobramento da arquitetura moderna que se contrapunha ao  Internacional style europeu. Foi o lider da Prairie School,movimento da  arquitetura ao qual pertencem os projetos da Robie House e a Westcott House, e também desenvolveu o conceito de Usonian home do qual a  Rosenbaum House é um exemplo. Sua obra inclui exemplos originais e inovativos de edifícios dos mais diferentes tipos, incluindo escritórios, templos, escolas, hotéis e museus. Frequentemente detalhava também os elementos a serem empregados no interior de suas construções, tais como mobília evitrais. 
Wright escreveu vinte livros, muitos artigos, era um palestrante popular nos Estados Unidos e Europa e grandemente reconhecido ainda em vida. Cheia de acontecimentos dramáticos, frequentemente fatos de sua vida pessoal apareciam nas manchetes dos jornais, dentre os quais os mais notáveis foram o incêndio e assassinatos de 1914 em sua residência de verão, Taliesin East. O American Institute of Architects postumamente conferiu a Wright em 1991 o título de "Maior arquiteto americano de todos os tempos.

Origens:

No período de 1895 a 1905, a arquitetura dos Estados Unidos da América era uma junção de estilos eclécticos, sem que de nenhuma maneira tivessem relação com as ideias e os ideais da nação. Na mesma época, considerava-se como arquitetura o levar à prática modas e estilos sem relação com as técnicas de construção, fenômeno chamado ecletismo. Por outro lado, era também uma época em que toda a indústria da construção estava experimentando transformações revolucionárias. Apareciam novos materiais de construção, ao mesmo tempo que se desenrolavam novos métodos de transformação para os materiais antigos. Mesmo assim, a arquitetura que realmente se levava à prática naquele tempo, pouco ou nada refletia estes novos métodos e materiais.
Antes de se tornar um dos maiores arquitetos de todos os tempos, ele estudou engenharia e, faltando poucas semanas para sua graduação, abandonou o curso e foi trabalhar em Chicago como desenhista no escritório de Silsbee, um arquiteto de renome.
Seus principais trabalhos foram a Casa da Cascata (também conhecida por Casa Kaufman, considerada a residência moderna mais famosa do mundo) e a sede do Museu Solomon R. Guggenheim  em Nova Iorque.

Primeiros anos:

Frank Lloyd Wright nasceu na pequena cidade agrícola de Richland Center, Wisconsin, nos Estados Unidos,  em 1867. Frank originalmente batizado Lincoln Wright, mudou seu nome após o divórcio de seus pais em homenagem à família de sua mãe, Lloyd Jones. Seu pai, William Carey Wright (1825 - 1904), era um orador localmente admirado, professor de música, advogado ocasional e ministro itinerante. William Wright conheceu e casou-se com Anna Lloyd Jones (1838/39 - 1923), uma professora da escola de seu condado, no ano anterior em que foi empregado como superintendente das escolas do Condado de Richland. Originário de Massachusetts, William Wright fora um ministro batista  mas juntou-se mais tarde a fé da família de sua esposa no unitarismo.Anna era membro da grande, próspera e conhecida família unitariana Lloyd Jones, que havia emigrado do País de Gales para o sudoeste do Wisconsin. Ambos os pais de Wright eram indivíduos obstinados com interesses idiossincrásicos que passaram a Frank. O arquiteto relata em sua biografia que sua mãe declarou, quando esperava seu primeiro filho, que este tornar-se-ia adulto para construir belos edifícios. Decorou seu quarto com gravuras de catedrais inglesas, destacadas de um periódico, para incentivar a ambição da criança. A família mudou-se para Weymouth, Massachusetts, em 1870 para que William ministrasse seus ensinamentos a uma pequena congregação religiosa.
Em 1876, Anna visitou a  Centennial Exhibition na Filadelfia e viu uma exibição dos blocos educacionais criados por Friedrich Wilhelm August Frobel,  os quais eram a base do inovativo currículo de seu jardim de infância.  Professora experiente, Anna interessou-se pelo programa e comprou um jogo de blocos para sua família. O jovem Frank passou muito tempo brincando com os blocos. Estes apresentavam formas geométricas e podiam ser montados em várias combinações em composições tridimensionais. A autobiografia  de Wright menciona a influência destes exercícios em sua maneira de encarar os projetos. Muitos de seus edifícios são notáveis pela aparência geométrica que exibem.
A família de Wright experimentou apertos financeiros em Weymouth e retornou a Spring Green, Wisconsin,  onde o unido clã Lloyd Jones poderia apoiar William e ajudá-lo a encontrar emprego. Estabeleceram-se em  Madison, Wisconsin, onde William ministrava lições de música e atuava como secretário da sociedade unitariana ali recentemente fundada. Embora William fosse um pai distante, compartilhou com seus filhos seu amor pela música, especialmente as obras de Johann Sebastian Bach. 
Em 1881, logo depois de Frank completar catorze anos, seus pais separaram-se. Anna estava infeliz há algum tempo com a inabilidade de William para sustentar a família e pediu-lhe que os deixasse.O divórcio foi homologado em 1885, depois que William processou Anna por falta de afeição física. William deixou Wisconsin após o divórcio. Wright declarava nunca ter encontrado o pai novamente.Foi nesta época que Wright mudou seu nome do meio de Lincoln para Lloyd. Sendo o único homem da família, Frank então assumiu a responsabilidade financeira por sua mãe e duas irmãs.
Wright frequentou aulas de segundo grau  em Madison mas não há evidências que tenha terminado o curso. Foi admitido à Unisersity of Wisconsin-Madison  como estudante especial em 1886. Lá juntou-se à fraternidade Phi Delta Theta, frequentou as aulas de meio período durante dois semestres e trabalhou como estagiário em engenharia civil. Em 1887, Wright deixou a escola sem que se tivesse graduado, a despeito de ter recebido da universidade um Doutorado honorário em Artes em 1955. Mudou-se então para Chicago, que ainda estava sendo reconstruída do Grande incêndio de Chicago,  em 1871, e juntou-se ao escritório de arquitetura de Joseph Lyman Silsbee. Dentro de um ano, deixaria Silsbee para trabalhar na empresa de Adler & Sullivan  como aprendiz de Louis Sullivan.
Em 1889, casou-se com sua primeira esposa, Catherine Lee Tobin (1871-1959), conhecida como Kitty, comprou uma área em Oak Park, llinois, e lá construíu sua primeira casa e seu estúdio. Sua mãe, Anna, logo seguiu Wright à cidade, onde comprou uma pequena casa junto à residência recém construída. Sua união com Kitty Tobin, filha de um rico homem de negócios, aumentou seu status social, e tornou-o mais conhecido.
A partir de 1890, tornou-se responsável por todo trabalho residencial da empresa. Em 1893, Louis Sullivan descobriu que Wright vinha aceitando encomendas privadamente. Sullivan sentiu-se traído ao saber que seu empregado favorito havia projetado casas por baixo dos panos e pediu que Wright deixasse a empresa. Em necessidade constante de fundos para sustentar sua crescente família, Wright projetara essas casas de modo a suplementar sua renda insuficiente. Wright referia-se a estas casas, localizadas nas redondezas da sua própria residência e escritório  na Chicago Avenue em Oak Park, como seus projetos "falsificados". Após deixar Sullivan, Wright estabeleceu seu próprio escritório em casa.

Prairie House:


Os projetos residenciais realizados por Wright entre 1900 e 1917 são conhecidos como Prairie Houses,  em português casas-pradaria, assim denominadas porque sua conformação é considerada complementar à paisagem ao redor de Chicago. Estas casas eram estruturas horizontalizadas, baixas, com telhados inclinados, silhueta simples e limpa, com chaminés disfarçadas, saliências e terraços, utilizando-se materiais rústicos. Aparentemente estas casas são as primeiras a apresentarem o sistema de planta aberta, ou seja a estrutura é livre das paredes, permitindo múltiplas opções de divisões internas.
A maneira como Wright organizava o espaço interior nos edifícios residenciais e públicos é uma das características únicas de seu estilo, visível e reconhecível na escolha dos materiais estruturais e de acabamento, bem como na disposição das aberturas. Um bom exemplo é o Unity Temple, sede da congregação Universalista Unitária em Oak Park. Unitariano durante toda sua vida, e membro do Unity Temple, Wright ofereceu seus serviços à assembleia depois que sua igreja se incendiara em 1904. A comunidade concordou em contratá-lo e ele trabalhou no edifício entre 1905 e 1908. Wright acreditava que a escala humana deveria ser considerada a parte mais importante na concepção de todo projeto.
A Westcott House, construída em Springfield, Ohio, entre 1907 e 1908, personifica não somente o projeto inovativo do Prairie Style de Wright, mas igualmente reflete sua paixão pela cultura e arte japonesas nos característicos traços de tradição oriental do projeto. É a única Prairie house construída em Ohio e representa uma evolução importante do conceito Prairie de Wright. A casa possui uma longa pérgola, que mede mais de trinta metros, coberta por intrincada treliça de madeira, ligando um depósito e a garagem isolados ao corpo principal da casa, uma característica presente somente em alguns dos projetos mais tardios do período Prairie Style de Wright.
Não se sabe exatamente quando Wright projetou a Westcott House; pode ter sido diversos meses antes ou mais de um ano após retornar de sua primeira visita ao Japão  em 1905. Wright criou dois projetos separados para a casa; ambos estão incluídos em Studies and Executed Buildings of Frank Lloyd Wright, publicados por Ernst Wasmuth  na Alemanha, em 1910 e 1911. Este trabalho de dois volumes contém mais de cem litografias  de projetos de Wright e é geralmente referido como Wasmuth Portfolio.
Outras casas de Wright consideradas obras-primas do período Prairie tardio, de 1907 a 1909, são a Frederick Robie House  em Chicago e a Avery  Coonley House em Riverside, llinois. A Robie House, com suas elevadas linhas de cantara do telhado, suportadas por uma longa canaleta de aço com quase 40 metros, é a mais dramática. Suas salas de estar e de jantar formam um espaço virtualmente ininterrupto. Este edifício exerceu profunda influência nos jovens arquitetos europeus após a Primeira Guerra Mundial e é chamado às vezes de pedra angular do modernismo. Entretanto, o trabalho de Wright era desconhecido pelos arquitetos europeus até a publicação do Wasmuth Portfolio.




sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Aquiles Nícolas Kílares - Á História

Aquiles Nícolas Kílares:

Arquiteto Aquiles Nícolas Kilares, Grécia, berço da mitologia, das artes, da arquitetura. Do arquiteto Brasileiro Aquiles Nícolas Kilares. Formado em 1989 pela FAU PUC, logo após em pratica seu potencial ancestral em diversas obras importantes. De lá para cá foram milhares de Projetos e executados em residências, industrias e comercios, instituições bancárias e projetos especiais.
O Arquiteto Aquiles pesquisa muito antes de traçar as primeiras linhas, as quais se seguem as curvas, que formam os espaços, que consolidam o conteúdo.

A natureza refletida em cada detalhe, curva, cor e traçado. Conhecer o trabalho do arquiteto Aquiles Nícolas Kílaris é desvendar as formas que nos cercam. O profissional de estilo contemporâneo é reconhecido por sua versatilidade em criar obras com arquitetura variada e funcional. Esta característica define uma personalidade com forte influência artística, evidenciada com a mesma intensidade em projetos residências, indústrias e estabelecimentos comerciais.

Dono de um vasto acervo de projetos, o trabalho desenvolvido por Kílaris conquista admiradores por onde passa, pois consegue reunir beleza, plasticidade, funcionalidade e criatividade, muita criatividade. Fruto de inspiração, pesquisa e horas ininterruptas de dedicação, o resultado agrada aos mais diversos gostos e é digno de ser compartilhado com a História da Arquitetura Brasileira. 

Ao longo de sua vida profissional teve como meta desenvolver um estilo próprio e diferenciado. Utilizando as linhas curvas, as formas orgânicas e a integração com a natureza como partido principal, Kílaris consagrou a sua marca. Este estilo único também prioriza os jogos de telhados e disposições de ângulos criando amplitude, ventilação, iluminação e projetos internos totalmente integrados com as áreas externas e jardins.

Observador, como todo bom profissional da área, ele aprendeu, com a prática, que o uso das linhas curvas agrada muito ao olhar. Por ser infinita, a curva é perfeita e denota a arquitetura o conceito de obra de arte. Norteado por este princípio, ele desenvolve projetos com efeitos plásticos únicos, que possuem ao mesmo tempo as características de uma arquitetura funcional e minuciosa em todos os aspectos. 


De origem paterna grega, sempre enalteceu e valorizou suas raízes. Uma viagem para a Grécia, quando ainda era jovem, teve influência decisiva em sua futura carreira. Ao se deparar com toda a beleza e riqueza de detalhes da arquitetura do país, ele não resistiu ao encantamento das construções históricas: colunas, ruínas e monumentos. Foi essa viagem que ajudou a definir seu estilo, diferente da arquitetura praticada no Brasil na época.

Desde a época de estudante, na Pontifícia Universidade Católica de Campinas, defendia um pensamento muito pessoal: a arquitetura acessível a todas as pessoas. Irreverente, acreditou nesta postura e iniciou seu trabalho com liberdade e ousadia.  Em pouco tempo, Kílaris teve uma surpresa: o convite de uma conhecida instituição bancária para criar um projeto-piloto para a reforma de uma das agências da instituição. O objetivo do projeto era adequar à relação arquitetura/bom atendimento e implantar a nova estratégia de marketing proposta pelo banco.

O sucesso no projeto fez com que ele partisse para a estrada, difundindo e implementando sua arquitetura em dezenas de cidades e executando projetos para agências no interior de São Paulo. Os desafios corporativos se sucederam, prevalecendo em seus trabalhos as linhas características a harmonia e o bem estar.
Hoje, Aquiles Nícolas Kílaris é um nome consagrado na arquitetura brasileira e começa a ocupar também os mercados internacionais. Além de várias obras em andamento no Brasil, o arquiteto comanda de seus escritórios instalados em Campinas e Americana, obras na África e Argentina. São 21 anos de profissão, nos quais todos os trabalhos se tornaram marcantes. E Kílaris não faz restrições ao tamanho dos projetos. Para ele, o importante é concretizar com beleza e qualidade o desejo daqueles que procuram seu escritório.

A estrutura profissional que Kílaris mantém, permite que ele participe de várias mostras de arquitetura, entre elas, as últimas edições da Campinas Decor, a Casa Cor Interior 2008 e a primeira edição da Casa Office.  Em 2009, Kílaris participou da Casa Cor São Paulo, no Jockey Club, e seu trabalho foi apontado como referência. O ambiente “Quarto do menino futurista” assinado pelo profissional, ilustrou a capa do livro da mostra Casa Kids. 



Obras Literárias:



















Antoni Gaudi - Á História


Antoni Gaudí:

Antoni Placid Gaudí i Cornet (Reus ou Riudoms, 25 de junho de 1852 — Barcelona, 10 de junho de 1926) foi um arquitecatalão, um dos símbolos da cidade de Barcelona, onde se educou e passou grande parte da vida. Aparece como um arquitecto de novas concepções plásticas ligado ao modernismo catalão (a variante local da art nouveau).

Seus primeiros trabalhos possuem claras influências da arquitetura gotica (refletindo o revivalismo  do século XIX) e da arquitetura catalã tradicional. Nos primeiros anos de sua carreira, Gaudí foi fortemente influenciado pelo arquiteto francês Eugene Viollet-le-Duc, responsável em seu país por promover o retorno às formas góticas da arquitetura.

Com o tempo, entretanto, passou a adotar uma linguagem escultórica bastante pessoal, projetando edifícios com formas fantásticas e estruturas complexas. Algumas de suas obras-primas, mais notavelmente o  Tempo Expiratório da Sagrada Familia possuem um poder quase alucinatório.

Gaudí é conhecido por fazer extenso uso do arco parabólico catenário, uma das formas mais comuns na natureza. Para tanto, possuía um método de trabalho incomum para a época, utilizando-se de modelos tridimensionais em escala moldados pela  grvidade (Gaudí usava correntes metálicas presas pelas extremidades: quando elas ficavam estáveis, ele copiava a forma e reproduzia-as ao contrário, formando suas conhecidas cúpulas catenárias). Também se utilizou da técnica catalã tradicional do trencadis, que consiste de usar peças cerâmicas quebradas para compor superfícies.

Ridicularizado por seus contemporâneos, Gaudí encontrou no empresário Eusebi Guell  o parceiro e cliente ideal, tendo sido praticamente seu mecenas.

Politicamente, Gaudí foi um fervoroso nacionalista catalão (ele foi certa vez preso por falar em catalão em uma situação considerada ilegal pelas autoridades). Em seus últimos anos, devotou-se exclusivamente à religião católica e a construção da Sagrada Família (obra nunca concluída).

Antoni Gaudí trabalhou essencialmente em Barcelona, a sua terra natal, onde havia estudado arquitectura. Originário de uma família não muito abastada, Gaudí tendeu para a procura do luxo durante a juventude; no entanto na idade adulta e no final da vida essa sua tendência diluiu-se por completo. Quando jovem aderiu ao Movimento Nacionalista da Catalunha e assumiu algumas posições críticas face à igreja; no final da sua vida essa faceta desapareceu também. Gaudí nunca se casou.

Em Barcelona a sua arquitectura assume foros de excepção, num ambiente essencialmente funcionalista de uma cidade de desenvolvimento industrial. Gaudí deixou-se influenciar por inúmeras tendências, não tendo nunca dedicado a sua arquitectura à tentativa de cópia de um estilo determinado. Uma das mais fortes influências que recebeu foi a de Viollet-le-Duc através do qual conheceu parte do seu gótico inspirador. Morreu aos 72 anos, vítima de atropelamento. Encontra-se sepultado no Tempo Expiatório da Sagrada Família, Barcelona, na Espanha. 

Estilo:

Uma primeira fase que se pode identificar na arquitectura de Gaudí poderá ser chamada de “mourisca” uma vez que o arquitecto buscou inspiração naquele tipo de construções: as formas, as cores, os materiais, tudo aponta na mesma direcção.
Outra fase importante da obra de Gaudí foi aquela que decorreu sob o mecenato de Güell. Este rico habitante de Barcelona era o retrato do industrial bem sucedido. A sua casa estava aberta aos artistas e Gaudí foi também acolhido e aí contactou com a chamada “Arte Nova”, que viria a usar mais tarde. As encomendas de Güell a Gaudí montam a cinco obras de arquitectura.
Uma outra fase identificável na obra de Gaudí é o que se pode classificar de período “gótico”. Gaudí utilizará os princípios deste estilo, bem como algumas das suas formas mais típicas; no entanto o gótico em Gaudí manifestar-se-á também em inovações ousadas, como são, por exemplo, os seus arcos parabólicos.
Já arquitecto de créditos firmados, Gaudí buscou um estilo próprio e se quisermos citar exemplos desse estilo as casas Batló e Milá serão certamente as que nos acudirão ao espírito. De tal forma ousadas eram essas construções que o público de Barcelona, apesar da estima e do prestígio de Gaudí, não deixou de as alcunhar e de as considerar quase aberrantes. A obra de Gaudí por excelência foi, no entanto, o templo expiatório da Sagrada Família, obra a que dedicou uma parte importante da sua vida e em que trabalhou aturadamente nos seus últimos 12 anos de existência. Está em curso um movimento em prol da beatificação  de Gaudí pela igreja católica, promovido desde 1992 por uma associação secular.

Beatificação:

No Vaticano, está em andamento o processo de beatificação de Gaudí, depois do encerramento da fase diocesana em 2003, todos os documentos da positio com a sua biografia passaram por Roma para serem submetidos à Congregação para as Causas dos Santos.  Para o Arcebispo de Barcelona e Presidente da Comissão do Padroado da Sagrada Família, Cardeal Martínez Sistach, "Gaudí era um grande cristão. Tinha uma espiritualidade franciscana, de amor e contemplação das belezas da natureza, imagens da beleza do Criador."









Palácio Episcopal:

Palácio Episcopal de Astorga é um edifício projetado pelo arquiteto espanhol Antoni Gaudí, ao estilo do modernismo catalão. Está situado na cidade de Astorga, a uma distância relativamente curta de Leão, onde se encontra a Casa Botines. A construção foi executada entre 1889 e 1913.








Casa Mila Barcelona: 

Casa Milà, também conhecida como La Pedrera (em catalãoA Pedreira), é um edifício desenhado pelo arquiteto catalão Antoni Gaudi e construída entre os anos 1905 e 1907. Está situada no número 92 do Passeig de Gràcia (passeig é catalão para "promenade" ou "avenida") no bairro Exemplo de Barcelona, Catalunha, Espanha. Foi construída para Roger Segimon de Milà. É parte do Patriminio mundial da UNESCO, juntamente com outras obras mundial de Antoni Gaudi.

Características:

O edifício não possui quaisquer linhas rectas. A maioria das pessoas considera-o magnífico e arrebatador; alguns dizem que se parece a ondas de lava ou a uma duna de areia. O edifício parece desafiar o nosso conceito de arquitetura convencional. O aspecto mais impressionante é o telhado, com uma aparência quase lunar ou de sonho.
O edifício pode ser considerado mais uma escultura do que um edifício convencional. Os críticos salientam a ausência de preocupação com a utilidade, mas outros consideram-no como arte. Os habitantes da cidade da altura consideravam-no feio, daí a alcunha de "pedreira", mas hoje em dia é um dos marcos da cidade.
Pode ser comparado com as pareces íngremes com que as tribos africanas constroem as suas habitações, semelhantes a cavernas. A fachada ondulada, com largos poros, lembra um praia ondulante de areia fina, formada, por exemplo, por uma duna. Os favos feitos por abelhas atarefadas também salta à ideia do observador que olha para os altos e baixos, semelhantes a cobras, que percorrem o edifício inteiro

Santiago Calatrava - Á História

Santiago Calatrava

Santiago Calatrava
Santiago Pevsner Calatrava Vall (Valência, 28 de Julho de 1951) é um arquiteto e engenheiro espanhol cujo trabalho tem se tornado bastante popular nas últimas décadas.
Calatrava licenciou-se em arquitetura em 1974. Mudou-se para Zurique para estudar engenharia civil, licenciando-se em 1979 e doutorando-se em 1981. O partido de seus projetos, considerado único e altamente influente, é difícil estabelecer um perfil da arquitetura de Calatrava devido a sua complexidade e heterodoxia irredutíveis a fórmulas que combina uma presença visual marcante com conhecimentos tecnológicos sólidos.
Frequentemente inspirado por formas orgânicas como esqueletos, seus trabalhos elevaram o desenho de certas obras de engenharia para novos patamares. Calatrava gosta de evidenciar o movimento das forças que animam as construções. Introduz soluções móveis e configurações dinâmicas, freqüentemente assimétricas. Talvez por isso seja classificado como um dos mais ativos "estruturistas" contemporâneos. Também gosta de dotar suas realizações de conotações organicistas e surrealistas. Inspira-se primordialmente nos seres da natureza (antropomórficos, harmonias e equilíbrios dos esqueletos ou das formas naturais, articulações-rótulas, tendões-cabos); assume muitos riscos na busca de um estilo próprio que se baseia na natureza. Em sua curta trajetória, já tem obras suficientemente importantes para ser reconhecido. Dotado de um grande talento para o desenho, também se ocupou de pesquisas paralelas à sua arquitetura, tanto no campo do desenho de objetos como no da escultura.
Seus projetos mais recentes são o de um arranha-céu em Nova York composto por 12 casarões na forma de cubos e o Museu do Amanhã, obra projetada no Rio de Janeiro, Brasil, de concepção totalmente ecólogico com uso de energia solar, com vistas à revitalização e modernização urbana da área do Porto do Rio de Janeiro.

Cidade das Artes e das Ciências:

Cidade das Artes e das Ciências (em valenciosoCiutat de les Arts i les Ciències) é um complexo arquitetonico, cultural e de entretenimento existente na cidade de Valência, em Espanha.
Desenhado por Santiago Calatrava e Félix Candela, o projeto começou a ser executado em Julho de 1996 e inaugurado em 16 de abril de 1998. O último componente da Cidade, El Palau de les Artes Reina Sofía, foi inaugurado a 9 de Outubro de 2005.

O complexo é formado pelas seguintes construções (em ordem de inauguração):
L'Hemisfèric - Imax Cinema, Planetário e Laserium. Com aproximadamente 13.000 m²
El Museu de les Ciències Príncipe Felipe - Museu interativo de ciências, ocupa aproximadamente 40.000 m² em três pisos.
L'Umbracle - trilha de caminhada com plantas selvagens, conta também com uma galeria de arte com esculturas de artistas contemporâneos.
L'Oceanogràfic - o maior aquário oceanográfico da Europa, com 110.000 m² e com 42 milhões de litros de água.
El Puente de l'Assut de l'Or - ponte que liga o lado sul com a rua Menorca, cujo pilar de 125 metros de altura é o ponto mais alto da cidade.
A Praça Principal - uma praça coberta, atualmente em construção, onde serão realizados concertos e eventos esportivos.
As Torres de Valência, Castellón e Alicante - parte de um projeto que consiste na construção de três arranha-céus de 308, 226 e 220 metros.

Museu de Arte de Milwaukee:

Instalado originalmente em uma edifício desenhado por Eero Saarinen e David Kahler, o Museu de Arte de Milwaukee, nos EUA, recebeu em 2001 um novo pavilhão com mais de 10 mil m2 projetado pelo engenheiro-arquiteto Santiago Calatrava.
Os trabalhos foram iniciados em 1995, quando o arquiteto espanhol apresentou os primeiros croquis para o trabalho. Desde então, a direção do museu 
e a comunidade realizaram uma campanha nacional de doações para arrecadar os 100 milhões de dólares necessários para a expansão do museu. 
O novo espaço amplia em 30% a área expositiva e permitirá a exibição de grande parte do seu acervo permanente, que contém obras de Gaudi, Picasso e Andy Warhol, entre outros nomes.

Para conseguir um contraponto com o edifício existente e com a paisagem do lago Michigan, Calatrava desenhou um pavilhão leve, transparente e curvilíneo, que estabelece um diálogo com o compacto e retilíneo pavilhão de Saarinen. 
O elemento arquitetônico mais interessante do projeto é a grande asa instalada sobre o edifício, que funciona como um brise-soleil para controle da incidência de luz e calor sobre o hall de entrada do prédio. Móvel, sustentada por finos tendões de aço, a peça mede cerca de 60 m de comprimento em seu ponto mais largo e pesa cerca de 90 toneladas. A direção do museu chegou a recomendar o uso de materiais mais leves, como fibra de carbono, mas os custos seriam proibitivos.

Assim, considerando a velocidade dos ventos locais, os problemas de operação da asa e as limitações de orçamento, a equipe de Calatrava optou pela estrutura de aço e grandes panos de vidro
Essa peça, como as asas de um anjo, protege a entrada principal do museu, constituída por um atrio em formato parabolóide com cerca de 30 m de altura. A "escultura" resultante transformou-se emlogomarca do museu e um dos principais ícones da própria cidade.

A presença de Calatrava no projeto é também facilmente notada na passarela de pedestres que conecta a entrada do museu à faixa que margeia o lago e ao centro da cidade. Com cerca de 90 m de comprimento, a estrutura é sustentada por tirantes ligados a um mastro inclinado, com 70 m.
Jardins e fontes projetadas pelo arquiteto-paisagista Dan Kiley completam a obra. Ocupando uma área com cerca de 6 mil m2, o projeto procurou integrar o museu à cidade, como uma praça de lazer e eventos culturais. Duas fontes monumentais com cerca de 10 m de altura e 12 m de diâmetro funcionam como eixos de articulação do espaço. Entre elas, linhas de jatos de água comandados por sensores de presença, oferecem um divertimento para crianças e adultos. Iluminados com fibras óticas, elas formam uma cortina de água que dança conforme a passagem de pessoas pelas proximidades.

Torre de Montjuic:


A Torre de Montjuïc é uma torre de telecomunicações, obra do arquitecto e engenheiro valenciano Santiago Calatrava construída entre 1989 e 1992 na vila olímpica de Montjuïc, Barcelona, em função dos Jogos Olímpicos de 1992.
Esta torre de aço possui cerca de 136 metros de altura e um desenho inovador com respeito à maioria das torres de comunicação, já que sua forma estrutural não está baseada em um tronco vertical, mas sim em uma silhueta que lembra a um atleta ajoelhando-se para recolher uma medalha. Também conhecida como "Torre Calatrava", sua base está recoberta de trencadis, em clara referência a uma das características construtivas de Gaudí.
A própria orientação da torre faz com que ela atue como um relógio de sol ao projetar a sombra de sua agulha central sobre a praça da Europa (plaça d'Europa)

Oscar Niemeyer - Á História

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer
Oscar Ribeiro de Almeida de Niemeyer Soares (Rio de Janeiro, 15 de Dezembro de 1907) é o Arquiteto Brasileiro de nome mais influente na Arquitetura Moderna.. Foi pioneiro na exploração das possibilidades construtivas e plásticas do concreto armado, e por esse motivo teve grande fama nacional e internacional desde a década de 1940.
Seus trabalhos mais conhecidos são os edifícios públicos que projetou para a cidade de Brasília, embora possua um grande corpo de trabalho desde sua graduação pela Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro em 1934.

Família, infância e juventude:

Filho de Oscar de Niemeyer Soares e Delfina Ribeiro de Almeida,Oscar Niemeyer nasceu no bairro de Laranjeiras, na rua Passos Manuel, que receberia no futuro o nome de seu avô Ribeiro de Almeida, ministro do Supremo Federal Municipal. Niemeyer foi profundamente marcado pela lisura na vida pública do avô, que como herança os deixou apenas a casa em que morava e cuja regalia era uma missa em casa aos domingos, apesar de ser um ateu convicto.

"Não é o ângulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo, o universo curvo de Einstein.

Niemeyer passa a sua juventude sem preocupações e na boêmia, frequentando o Café Lamas, o clube do Fluminense e a Lapa. Em suas palavras: "parecia que estávamos na vida para nos divertir, que era um passeio."
Em 1928, aos 21 anos, casou-se com Anita Baldo, 18 anos, filha de imigrantes italianos da provincia de Padua. A cerimônia de casamento na igreja do bairro atendeu aos desejos da noiva. "Casei por formalidade. Mais católica do que minha esposa é impossível, então não me incomodei em casar dessa forma". O casamento foi no mesmo ano da formatura no ensino médio. O casal teve somente uma filha, Anna Maria Niemeyer , que deu cinco netos, treze bisnetos e quatro trinetos ao arquiteto. Anna Maria faleceu no dia 6 de junho de 2012, aos 82 anos.
Até 23 de setembro de 2009, quando foi internado, passando em seguida por duas cirurgias, para retirada da vesícula e de um tumor do cólon, o arquiteto costumava ir todos os dias ao seu escritório em Copacabana, onde trabalhava no projeto Caminho Niemeyer, em Niterói, um conjunto de nove prédios de sua autoria. Até outubro de 2009, Niemeyer permaneceu internado no mesmo hospital, no Rio de Janeiro. Em 25 de abril de 2010, foi novamente internado, apresentando um quadro de infecção urinária. O arquiteto deveria participar do lançamento da edição especial da revista "Nosso Caminho", no dia 27 de abril, em homenagem aos 50 anos de Brasília. A festa foi cancelada.

Formação acadêmica:


Casado, Oscar troca a vida boêmia pelo trabalho na tipografia do pai. Resolve retomar os estudos. Em 1929 ingressou na Escola Nacional de Belas Artes, de onde saiu formado como Arquiteto e Engenheiro, em 1934.

Posições político-ideológicas:

A luta política é uma das questões que sempre marcaram a vida e obra de Oscar Niemeyer. Em 1945, já um arquiteto conhecido, conheceu Lúis Carlos Prestes e filiou-se ao Partido Comunicada Brasilera (PCB). Niemeyer emprestou a Prestes a casa que usava como escritório, para que este montasse o comitê do partido. Sempre foi um forte defensor de sua posição como stalinista.Durante alguns anos da ditadura militar do Brasil autoexilou-se na França. Um ministro da Aeronáutica da época diria que "lugar de arquiteto comunista é em Moscou".Visitou a União Soviética, teve encontros com diversos líderes socialista e foi amigo de alguns deles. Em 2007 presenteou Fidel Castro com uma escultura de caráter antiamericano: uma figura mostruosa ameaçando um homem que se defende empunhando uma bandeira de Cuba. Em seu discurso de 2007, onde Fidel fala em aposentadoria, faz referência ao amigo Niemeyer: "Penso, como (o arquiteto brasileiro Oscar) Niemeyer, que se deve ser consequente até o final". Esta frase foi repetida em sua carta de renúncia de 18 de fevereiro de 2008.
"Não me sinto importante. Arquitetura é meu jeito de expressar meus ideais: ser simples, criar um mundo igualitário para todos, olhar as pessoas com otimismo. Eu não quero nada além da felicidade geral."

Custo de projetos:
Os projetos arquitetônicos de Niemeyer,custam altas cifras ao Estado: em 2007, cobrou 7 milhões de reais pelo projeto da nova sede do Tribunal Superior Eleitoral, em Brasília,tendo sua empresa recebido 33,5 milhões de reais do governo federal, entre 1996 e 2008, apenas por projetos de obras em Brasília.

Os engenheiros:

Dada a preferência pelo concreto armado e o desenvolvimento das inúmeras possibilidades fornecidas pelo mesmo, as obras de Niemeyer contaram com a fundamental parceria dos engenheiros Joaquim Cardozo (1897-1978) e José Carlos Sussekind (1947), sendo o primeiro responsável pelo cálculo da maioria das obras da construção de Brasília e o segundo pelas obras da década de 70 até a atualidade. Juntos, Oscar Niemeyer e José Carlos Sussekind publicaram em 2002 o livro Conversa de Amigos - Correspondência entre Oscar Niemeyer e José Carlos Sussekind, uma coletânea das cartas trocadas entre os amigos desde março de 2001 até o início de 2002, onde falam de assuntos diversos: desde arquitetura e engenharia à literaturafilosofia e atualidade política.

Primeiros trabalhos:

Desde sempre idealista, mesmo passando por dificuldades financeiras, decide trabalhar sem remuneração no escritório de Lúcio Costa e Carlos Leão. Não lhe agradava a arquitetura comercial vigente e viu no escritório de Lúcio Costa uma oportunidade para aprender e praticar uma nova arquitetura.

Obra do Berço:

Seu primeiro projeto individual a ser construído foi a Obra de Berço, em 1937, no bairro da Lagoa, Rio de Janeiro. Neste edifício nota-se a presença dos elementos defendidos na arquitetura moderna e a influência do arquiteto francês Le Corbusier: o pilots, a planta livre, a fachada livre, possibilitando a abertura total de janelas na fachada, o terraço-jardim e o brise-solei, pela primeira vez utilizado na vertical. Durante a construção, o arquiteto estava fora do Brasil e, ao retornar, encontrou o brise instalado de forma inapropriada, sem proteger o interior contra a insolação. Sendo assim, Niemeyer, que nada havia cobrado pelo projeto, pagou pela execução do brise na forma em que havia projetado. O prédio da Obra do Berço foi inaugurado em 1938 e em 2012 a instituição ainda o ocupa.

Ministério da Educação e Saúde:

Em 1936, o escritório onde Niemeyer trabalhava como estagiário, dirigido por Lúcio Costa e Carlos Leão, foi chamado pelo ministro da Educação e Saúde, Gustavo Capanema (que anulara o concurso público ganho por Archimedes Mororia), para projetar o novo edifício do Ministério da Educação e Saúde.Este projeto estava inserido no contexto político do Estado Novo, quando Getúlio Vargas, presidente do Brasil, usava a arquitetura e o urbanismo como ferramentas para ilustrar os novos rumos da nação em uma fase intermediária, que buscava se transformar de potência agrícola exportadora de café em um país industrializado.
Lúcio Costa pediu assessoria ao arquiteto franco  suiço Le Corbusier, um dos grandes expoentes mundiais do Movimento Moderno e montou uma equipe de arquitetos para o desenvolvimento do projeto: Affonso Eduardo Reidy, Ermani Vasconcellos, Jorge Moreira, Carlos Leão  e Niemeyer. O projeto segue os 5-pontos corbusianos, já realizados no Pavilhão Suíço, um prédio de apartamentos em Paris projetado por Le Corbusier em 1930. O edifício do MEC, terminado em 1943, eleva-se da rua apoiando-se em pilotis: sistema de pilares de concreto que mantém o prédio "suspenso", permitindo o trânsito livre de pedestres por baixo do mesmo (um espaço público de passagem). O prédio uniu os maiores nomes do modenismo brasileiro, com azulejos de Portinari, esculturas de Alfredo Ceschiatti e jardins de Roberto Burle Marx  e é considerado o primeiro grande marco da Arquitetura Moderna no Brasil.

Pavilhão Brasileiro na Feira Mundial de Nova Iorque:

Em 1939, Niemeyer viaja com Lúcio Costa para projetar o Pavilhão na Feira Municipal de Nova York  1939-40. Associam-se ao escritório de Paul Lester Wiener, responsável pelo detalhamento dos interiores e stands de exposição. Em uma época em que a Europa e os Estados Unidos estavam concentrando suas potências industriais na Segunda Guerra Mundial, o Brasil estava investindo em arquitetura, o que lhe colocou na vanguarda da Arquitetura modernista internacional, onde ainda permaneceu por várias décadas, graças em boa parte ao talento de Oscar Niemeyer.

Conjunto Arquitetônico da Pampulha:

Em 1940, Niemeyer conheceu Juscelino Kubitschek, na ocasião prefeito de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, que tinha interesse em desenvolver uma área ao norte da cidade, chamada Pampulha. Encomendou a Niemeyer um conjunto de edificações que seriam conhecidas como Conjunto Arquitetônico de Pampulha.

Igreja São Francisco de Assis:

Finalizados em 1943, os prédios foram alvo de muitas críticas e admiração, causando polêmicas locais. A Igreja Católica negou-se a benzer a Igreja São Francisco de Assis Belo Horizonte, em parte por sua aparência não usual, e em parte pelo mural moderno pintado por Portinari, que possuía traços abstratos e onde reconhecia-se um cachorro, representando um lobo junto a São Francisco de Assis.Através do conjunto de pampulha, Niemeyer conseguiu sua primeira projeção internacional. No conjunto da Pampulha desponta o estilo que irá marcar suas obras: o uso da plasticidade no concreto armado gerando formas sinuosas em seus prédios. Os projetos de Niemeyer são de traços mínimos, e a arquitetura deve se resolver pela estrutura. No entanto, ele nega que a estética de seus prédios se sobreponha ao utilitarismo; sempre escreveu enormes memoriais, descrevendo e justificando os detalhes plásticos do edifício. Segundo ele, se não se pode justificar uma ideia em um parágrafo, desiste-se dela.

"Com a obra da Pampulha o vocabulário plástico da minha arquitetura, num jogo inesperado de retas e curvas, começou a se definir."

Cataguases:

Ainda no início dos anos 40, Niemeyer recebeu duas encomendas de Francisco Inácio Peixoto:  uma casa e um colégio em Cataguases. O projeto da residência de Chico Peixoto e o Colégio Cataguases, inaugurado em 1949, levaram Cataguases à cena da Arquitetura Moderna, atraindo olhares para a pequena cidade mineira. Ambas obras contaram com jardins de Burle Marx. O Colégio possui murais de Paulo Werneck  e Cândido Portinari. 

Sede das Nações Unidas:

Em 1946 seu nome já circula internacionalmente e Niemeyer é convidado a lecionar na Universidade de Yale, mas é impedido de atender ao convite por ter o visto negado devido à sua posição política.
No entanto, em 1947 Niemeyer é indicado para fazer parte da equipe de arquitetos mundiais que viria a desenvolver a Sede das Nações Unidas. Niemeyer viaja aos Estados Unidos para integrar a equipe e apresenta o projeto que seria escolhido, elaborado em conjunto com Le Corbusier. 


Banco Boavista:

Ainda em 1946 projeta o Edificio do Banco Boavista , um de seus projetos mais expressivos no Rio de Janeiro. Niemeyer aplica a curva desta vez ao tijolo boa vista que reveste a fachada frontal, iluminando e enriquecendo o interior do banco. O edifício, inaugurado em 1948, foi tombado pelo INEPAC em 1992.


Edifício Copan:

Para a mesma comemoração, Niemeyer projeta em 1951 o edifício Copan, implantado no velho Centro de São Paulo. Seu desenho sinuoso e o caráter moderno o tornariam um dos símbolos da cidade de São Paulo. O Copan é a maior estrutura de concreto armado do Brasil.

Outras obras no período:
Em meados da década de 50, Oscar Niemeyer atuou, ainda que brevemente, no mercado imobiliário de São Paulo, para o Banco Nacional Imobiliário (BNI). Os edifícios Montreal, Triângulo, Califórnia e Eiffel são fruto de seu escritório montado em São Paulo neste período, sob supervisão do arquiteto Carlos Lemos, também responsável pela finalização e acompanhamento da execução do Copan. Na mesma época, Niemeyer também projetou o Edificio Itatiaia, em Campinas.

No Rio de Janeiro, projeta em 1954 a Casa Edmundo Cavanelas,  em Petrópolis, que foi usada para ambientação da minissérie Queridos amigos (rede Globo) exibida em 2008. A casa possui uma cobertura apoiada nas quatro extremidades, que lembra um lençol ou uma tenda, de concreto. Ainda em 1954 projetou, sob encomenda de Juscelino, a       Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa,  em Belo Horizonte, inaugurada em 1961. Projetou a Escola Estadual Governador Milton Campos em Belo Horizonte, mais conhecida como Colégio Estadual Central, inaugurada em 1956, cujo conjunto foi tombado pelo Patrimônio Histórico de Minas Gerais.
Em 1955, funda a revista modulo, no Rio de Janeiro, uma das mais importantes revistas de arquitetura, urbanismo, arte e cultura da década de 50. Sua produção foi proibida pela ditadura militar em [1965 e só voltou a circular em 1975.
Juscelino Kubitschek, eleito presidente do Brasil em 1956, volta a entrar em contato com Niemeyer, desta vez com um projeto político mais ambicioso: mover a capital nacional para uma região despovoada no centro do país. Assim, Juscelino o chama para a direção da Novacap, empresa urbanizadora da nova capital.

Brasília:

Em 1957, Niemeyer abre um concurso público para o Plano Piloto de Brasília, a nova capital. O projeto vencedor é o apresentado por Lúcio Costa, seu amigo e ex-patrão. Niemeyer, arquiteto escolhido por Juscelino, seria responsável pelos projetos dos edifícios, enquanto Lúcio Costa desenvolveria o plano da cidade.
Brasília foi um grande desafio; a cidade foi construída na velocidade de um mandato, e Niemeyer teve de planejar uma série de edifícios em poucos meses para configurá-la. Entre os de maior destaque estão a residência do Presidente (Palácio Avorada), o Edificio do Congresso Nacional  (Câmara dos Deputados e Senado Federal), a Catedral de Brasilia, os prédios dos ministérios, a sede do governo (Palácio do Planalto) além de prédios residenciais e comerciais.

A determinação de Kubitschek  foi fundamental para a construção de Brasília, levando para frente sua intenção de desenvolver o centro despovoado do Brasil (a exemplo da marcha do oeste  norte-americana): povoar o interior e levar o progresso Brasil adentro.
O projeto de Lúcio Costa, vencedor do concurso, punha em prática os conceitos modernistas de cidade: o automóvel no topo da hierarquia viária, facilitando o deslocamento na cidade, os blocos de edifícios afastados, em pilotis sobre grandes áreas verdes. Brasília possui diretrizes que remetem aos projetos de Le Corbusier  na  década de 1920 e ainda ao seu projeto para a cidade de Chandigarh, pela escala monumental dos edifícios governamentais. A cidade de Lúcio Costa também possui conceitos semelhantes aos dos estudos de  Hilberseimer.
Nesta nova cidade projetada, levou-se em conta o ideal socialista, onde todas as moradias pertenceriam ao governo e seriam utilizadas pelos funcionários públicos. Nesta visão, todos os funcionários, fossem serventes ou parlamentares, deveriam habitar os mesmos prédios.
A construção de Brasília foi controversa; os preceitos do urbanismo modernista já sofriam críticas antes mesmo do início de sua construção, devido a sua escala monumental e à prioridade dada ao automóvel. Brasília cresceu de forma não prevista e cidades-satélite surgiram para acomodar a crescente população. Atualmente, apenas uma pequena parcela dos habitantes do Distrito Federal habita na área prevista pelo plano piloto de Lúcio Costa.

Palácio da Alvorada:

O Palácio da Alvorada foi o primeiro edifício público inaugurado em Brasília, em junho de 1958. Nesta obra Niemeyer desenha pilares em um formato inusitado. A forma dos pilares da fachada deu origem ao símbolo e emblema da cidade, presente no brasão do Distrito Federal.

Palácio do Planalto:

O Palácio do Planalto foi inaugurado no dia da transição da capital, em 21 de abril de 1960. Durante a construção do edifício, a sede do Governo funcionou no   Catetinho, um sobrado de madeira, nos arredores de Brasília. É um dos edifícios da Praça dos Três Poderes , sendo os demais o Supremo Tribunal Federal  e o  Congresso Nacional..

Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida:

Marcante por sua arquitetura singular, a Catedral Metropolitana é uma das obras mais expressivas de Brasília. O acesso à nave se dá através de uma passagem subterrânea, intencionalmente escura e mal-iluminada, visando o contraste com o interior que recebe iluminação natural intensa. Foi inaugurada em 1960.

Casa do Cantador:

Uma edificação moderna para homenagear a comunidade nordestina que habita o Distrito Federal.  Localizada na cidade de Ceilândia , a Casa é a sede do cantador repentista, do poeta cordelista, do coquista embolador e de um sem-número de artistas do improviso e da literatura de cordel, verdadeiros representantes da cultura popular. Inaugurada a 9 de novembro de 1986, a Casa do Cantador tem sido palco de grandes manifestações culturais, a exemplo dos Festivais Nacionais de Cantadores Repentistas e Poetas Cordelistas que acontecem há mais de 22 anos. Nestes eventos a Casa abre suas portas para a arte e a cultura e recebe de bom grado toda a mistura de brasileiros que reside no Distrito Federal.

Museu de Arte Contemporânea de Niterói:

Em 1991, aos 84 anos, projetou o Museu de Arte Contemporânea de Niterói,  MAC em um terreno que o próprio escolheu quando andava de carro por Niterói. Considerado uma de suas grandes obras, o projeto do MAC integra a arquitetura com o panorama da Baía de Guanabara, a praia de Icaraí e o relevo do Rio de Janeiro.



Museu Oscar Niemeyer:

Em 22 de novembro de 2002 foi inaugurado o complexo que abriga o Museu Oscar Niemeyer , em Curitiba.Por sua forma inusitada, o museu é popularmente chamado de Museu do Olho ou Olho do Niemeyer. Abriga diversas exposições ao longo do ano e traz milhares de turistas do Brasil e do exterior. O Museu preza por sua arquitetura moderna, representando originalmente um pinheiro (segundo Niemeyer).

Anexo da Serpentine Gallery:

Em [2003, Niemeyer foi escolhido para projetar seu primeiro edifício na Grã-Bretanha, um anexo provisório na Serpentine Gallery - uma galeria londrina que constrói a cada ano um pavilhão no Jardim do Hyde Park. Apesar de sua preferência pelo concreto, Niemeyer optou pela execução em aço devido ao caráter temporário da obra, que pedia uma arquitetura desmontável.

Museu Nacional Honestino Guimarães:

Em 15 de dezembro de 2006, com quase 50 anos de atraso, foi inaugurado o Museu Nacional Honestino Guimarães e a Biblioteca Nacional Leonel de Moura Brizola, que formam, juntas, o maior centro cultural do Brasil, denominado Complexo Cultural da República, na Esplanada dos Ministérios em Brasilia.O Complexo, de 91,8 mil metros quadrados custou 110 milhões de reais ao Governo do Distrito Federal. A inauguração foi programada para coincidir com o 99º aniversário de Oscar Niemeyer.



Estação Cabo Branco:

Em 2008 foi inaugurada a Estação Cabo Branco, em João Pessoa no estado da Paraiba. O complexo, localizado na Ponta do Seixas, extremo oriental das Américas, tem como foco central "uma torre espelhada erguida em forma octogonal, com 43 metros de distância entre lados opostos e apoiada sobre uma parede cilíndrica com 15 metros de diâmetro". O projeto tem 8.571m².




Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte:

Em 21 de julho de 2008 foi inaugurado na cidade de  Natal o parque urbano Dom Nivaldo Monte, com o projeto arquitetônico de autoria de Oscar Niemeyer. O parque ocupa uma área de 64 hectares, sendo composto por dois estacionamentos, dois pórticos de entrada, cinco trilhas pavimentadas (6,5 km), quatro unidades de descanso, quatro baterias de banheiros, biblioteca, auditório, centro de educação ambiental, um monumento com doze andares, constituindo memorial da cidade e mirantes.

Cidade Administrativa de Minas Gerais Presidente Tancredo Neves:

Também foi convidado a elaborar o projeto arquitetônico do novo centro administrativo do governo de Minas Gerais. Este centro localiza-se entre a capital mineira e o Aeroporto Internacional Tancredo Neves (Confins).  Mais um projeto ousado que - dentre outras edificações no local - previa uma laje de quase 150 metros apoiada em apenas dois pilares.

Curvas, concreto armado e o maior prédio suspenso do mundo. A Cidade Administrativa de Minas Gerais é considerada o projeto mais ousado de Oscar Niemeyer. A obra, realizada no governo Aécio Neves, abriga as Secretarias e órgãos do Estado e foi inaugurada 4 de março de 2010.

Dar vida às formas desenhadas por Niemeyer foi um grande desafio conquistado pela a engenharia. O conjunto abriga ao todo cinco edificações. O Palácio Tiradentes, sede do governo, é totalmente suspenso por cabos de aço, formando um vão livre de 147 metros no térreo. As Secretarias foram alocadas em dois prédios idênticos com os nomes "Minas" e "Gerais", feitos em curva, com 15 andares cada um.

Completam o cenário, um centro de convivência em formato redondo, com lojas, restaurantes e bancos, e o auditório JK com 490 lugares. A construção côncava, com um espaço vazado na parte de cima, representa a figura de um olho e lembra a igrejinha da Pampulha, obra que reflete bem o estilo arquitetônico de Niemeyer.

Universidade de Música e Arte de Araraquara:

Ousado, o projeto da Universidade de Música de Araraquara  prevê três prédios: duas cúpulas e um extenso bloco, distribuídos numa área de 9 mil m² de construção. Uma enorme rampa fará a ligação entre os três locais. As dependências da Universidade de Música terão, além das salas de ensino, biblioteca, área de convivência interna, teatro, auditório e refeitório. Niemeyer está empolgado com um projeto e priorizou a beleza dentro das limitações do local. A previsão de inauguração da Universidade é novembro de 2011.

Museu Pelé:

O museu orçado em R$ 20 milhões já começou a ser construído na cidade de Santos no litoral do Estado de São Paulo. A obra é mais um projeto de Oscar Niemeyer. A previsão é que as obras terminem em 2012. A inspiração foi pelo pulo do jogador de futebol Pelé com o braço levantado, refletindo como símbolo do monumento. O jogador costumava comemorar seus gols dessa forma.
O acervo vai agregar mais de três mil peças, inclusive uma réplica da taça do mundial de 1970, a  Taça Jules Rimet.

Design:

Niemeyer também produziu mobílias de design, levando à madeira prensada as curvas que já aplicava ao concreto. Foi um dos pioneiros no design de móveis no Brasil. Projetou o mobiliário do Palácio da Alvorada, o da Sede do Partido Comunista Francês e alguns móveis em parceria com a filha, na década de 1970. Os móveis de Niemeyer foram expostos em diversos museus brasileiros e salões e feiras internacionais.

Impressões sobre o arquiteto:

Ele tem sido exaltado pelos seus admiradores como grande artista e um dos mais importantes arquitetos de sua geração. Aqueles que não o admiram dizem que é vaidoso, frívolo e contraditório. Ironicamente, estes últimos deram-lhe a alcunha de "arquiteto oficial", graças ao seu grande prestígio junto aos políticos.
Em 2007 foi eleito o nono gênio mundial vivo em uma lista compilada pela empresa Syntetics (Lista dos 100 maiores gênios vivos).
"Se é certo - como acredito - que nós, homens, inventamos a vida, o mundo imaginário em que habitamos, Oscar Niemeyer é um dos que mais contribuíram para isso, inventando uma arquitetura que parece nascida do sonho e, com isso, nos ajuda a viver."
"Para os arquitetos criados pelo movimento moderno, Oscar Niemeyer posiciona-se no mais alto grau de sabedoria. Invertendo o ditado familiar de que 'forma segue a função', Niemeyer demonstrou que 'quando a forma cria beleza, ela se transforma em funcional, e, portanto, fundamental na arquitetura'."
"Dizem que luri Gagarim,, o pioneiro cosmonauta russo, visitou Brasília e comparou a experiência com aterrissar em um planeta diferente. Muitas pessoas quando vêem a cidade de Niemeyer pela primeira vez devem sentir o mesmo. É audaciosa, escultural, colorida e livre - e não se compara a nada que se tenha feito antes. Poucos arquitetos na história recente têm sido capazes de convocar tal vocabulário vibrante e estruturá-lo em tal linguagem tectônica brilhantemente comunicativa e sedutora."
"A casca é uma forma inteligentíssima porque trabalha somente à compressão, sob medida para o concreto, que não tem resistência à tração. Ora, romper o trânsito dos esforços  que se dirigiam tranquilamente ao solo, para remetê-los a uma  viga  reta gigantesca, "a maior do mundo", é no mínimo um tremendo non sense, 95 metros. Niemeyer insiste na ideia de que isso é "avanço tecnológico" e às vezes apresenta suas "intuições estruturais" como uma homenagem à engenharia nacional. É preciso que alguém aponte a ingenuidade dessa deslocada pretensão que, ao contrário do que dizem e repetem seus admiradores, não constitui intuição estrutural: tudo não vai além de investir recursos públicos no alto custo de uma proposta tecnicamente ineficiente."
"Sei que isso pode soar chocante, porque há um consenso quase universal aqui no Brasil de que Niemeyer é um gênio. (…) Deixando de lado a política stalinista de Niemeyer, que é execrável, há uma contradição fundamental e irreconciliável entre o que ele professa e a obra que ele produziu. Ele afirma querer uma sociedade baseada em princípios igualitários, mas sua arquitetura, para usar a linguagem do mundo da computação, não é user-friendly. Ao contrário: ela é profundamente elitista e mesmo egoísta, concentrada principalmente em fazer declarações grandiosas e eloquentes por si mesmas, para satisfação de Niemeyer e seus admiradores, mesmo que cause desconforto ou inconveniência ao usuário."